Aquele dia em Dún Laoghaire

Eu tenho para mim que o filme P.S. Eu te amo é, na verdade, um grande vídeo institucional da Irlanda. Até fiz uma pesquisa: quando estive lá, há alguns anos, 10 entre 10 meninas que encontrei no albergue de Dublin foram motivadas, de alguma forma, pelo filme. Mentira, eu só conversei com umas três, mas todas elas se encaixavam nessa categoria. A maioria tinha marcado tour para visitar o Wicklow Mountains National Park, aquele parque no qual Holly se perde, mas eu tinha outros planos: resolvi visitar Dún Laoghaire, cidade em que ela estava hospedada. Não porque eu fosse diferentona, é só que eu não tinha lembrado de Wicklow, mesmo. E se não tivesse sido assim, talvez eu não tivesse vivido um dos dias mais loucos dessa viagem.

Para chegar a Dún Laoghaire de trem, é preciso pegar o DART na Connolly station, em Dublin. A viagem de trem é rapidinha e tem uma vista linda para o litoral. Sim, Dún Laoghaire fica no litoral e naquele dia o céu estava fechado, até chuviscava. Mas mesmo assim eu achei que seria uma boa ideia passear um pouco na beira do mar.

Dún Laoghaire é um cidade bonita, tem marinha e barcos para ver. Enquanto eu caminhava, a chova apertou. E apertou ainda mais. E apertou de um jeito que eu tive que correr para baixo de um toldo de loja e esperar. Quando tudo acalmou, saí pela rua deserta e caminhei até ser pega novamente por mais água caindo do céu. E gelo, porque logo naquele dia, São Pedro decidiu mandar uma leve chuva de granizo pra Irlanda.

Me enrolei no cachecol que tinha levado e entrei em uma loja. Ao longo da rua que passa perto da marina, existem vários centros comerciais com lojas e coisas para comer. Naquele dia, caí de paraquedas em um lugar que lembrava essas lojas de móveis mais moderninhas. Dei uma volta e fui para a cafeteria. Lá, pedi um chá e um scone, minha refeição oficial em terras britânicas e irlandesas.

Quando a chuva estiou um pouco, dei o dia por encerrado e caminhei de volta para a estação de trem. O chuvisco tinha voltado e estava frio, mas, no meio do caminho, encontrei várias pessoas que pareciam não se importar com isso: as mulheres estavam de vestido preto e os homens, de terno. Eles corriam pela rua de saltos e sapatos, todos produzidos. Saíam do que pareci ser um hotel, e da estação eu conseguia ver várias outras pessoas vestidas do mesmo jeito. Era dia de semana, seria uma festa? Um convenção de trabalho pouco convencional? Fiquei olhando praquele prédio cheio de gente elegante rindo enquanto a chuva ainda caía até o trem chegar e me levar de volta para Dublin.


Notas: 

Se escreve Dún Laoghaire, se lê Dãn Liuri. Ou algo assim. 

A foto com o céu azul, a praia e o mar é de Bray.  Fugir do granizo me pareceu mais importante do que fazer uns cliques de Dún Laoghaire. 

Escrito por

Carioca apaulistada, jornalista, 26 anos. Gosta de escrever, viajar e um monte de outras coisas que não caberia nessa descrição.

Um comentário em “Aquele dia em Dún Laoghaire

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s