Burger Joint em São Paulo e a saudades do que não fiz em NY

Quando fui para Nova York pela primeira vez, lá em 2011, comprei um caderninho desses de viagem com mapinha e risquei nele todos os lugares que eu queria conhecer – a grande maioria era de comida, haha. Eram coisas que eu tinha visto na internet e que tinha ficado super curiosa. Só que foi exatamente nessa viagem que eu aprendi que eu não consigo fazer metade das coisas que planejo porque sempre tem algo mais interessante no meio do caminho. E um desses planos que eu tinha e que foram por água abaixo era de comer no Burger Joint.

Eu sempre achei essa parada de hambúrguer enrolado em papel uma coisa muito norte-americana e, estando em solo norte-americano, achava por bem comer hambúrguer enrolado em papel. Mas tinha tanta junk food para comer! Foi pizza no balcão pertinho do Central Park, foi hot dog na Times Square, e eu nunca tinha comido no Wendy’s, gente! Dá para ser light em Nova York, claro, mas eu estava ali para comer do bom e do melhor. Tirando que, como fiquei hospedada em casa de locais nas duas vezes em que visitei a cidade, sempre rolava uma homemade food pra salvar aquele tanto de gordura e sódio e açúcar – especialmente quando fui para o intercâmbio e tinha jantar em casa todo dia incluído no pacote!

E tudo bem, a gente supera não ter feito tudo o que a gente queria durante a viagem, serve até como estímulo pra planejar uma próxima ida e finalmente comer no Burger Joint. Ou não, porque cheguei a passar ao lado da filial do Greenwich Village e só ter percebido depois de eu ter enchido o bucho em algum outro lugar (comi pizza naquela noite, me lembro bem, e depois passei em uma loja de cosméticos fofinha que eu nunca vou lembrar o nome).

Eu também já estava quase convencida de que meu destino nunca cruzaria com o do Burger Joint quando abriram uma filial em São Paulo, ali na Paulista, no Top Center, exatamente ao lado de um dos meus cinemas preferidos na cidade, e eu simplesmente abstraí e deixei pra lá. Esqueci. Até o dia em que eu encontrei um casal de amigos e deu o clique: que tal irmos no Burger Joint? E mesmo assim, quase que a refeição não sai: subimos até a praça de alimentação e levamos um tempão para achar a hamburgueria. Ela fica no cantinho oposto à escada rolante, e quando eu falo cantinho, tô falando de cantinho, mesmo: é a esquininha do andar, lá no finzinho. Você vai andar e achar que não é ali, mas não desista: é sim.

burger-joint_sp

Como eu era novata no rolê, não sabia de que forma funcionava a parada. Agora, já tendo frequentado o lugar duas vezes, posso dar o caminho das pedras: ele tem basicamente um sanduíche, pão e carne, e você vai adicionando os complementos: queijo, condimentos, bacon. Preste atenção na parte de condimentos (que também inclui tomate e alface) para saber se você quer tudo. Tem maionese, mostarda Dijon, catchup, um bando de coisa. Perca uns segundinhos analisando a lista. Você também pode ousar e pedir a versão double por mais um valor. Muita gente fala que a versão simples é pequena, mas achei ok para matar a fome.

Depois disso, você vai escolher o ponto da carne: dizem que a versão ao ponto já vem com a carne rosadinha, mas eu sempre peço a mal passada porque hambúrguer bom é hambúrguer vermelhão. Mas tem versão vegetariana também, tá?

hamburguer_burger-joint-sp
Hambúrguer embrulhado no papel é muito mais amor #ForaCaixinha #EmbrulhaoHamburguernoPapelPFVR

Aí você passa para as bebidas. Eu escolhi o milk-shake gostosinho para acompanhar nas duas vezes porque hambúrguer combina com milk-shake. E batata frita, que é crocante e sequinha.Tudo isso saiu um pouco mais de quarenta reais – um pouco mais caro que o McDonald’s, mas bem mais em conta que outras hamburguerias por aí. E, olha, a carne é muito mais saborosa que muitos outros lugares.

burger-joint_ny-e-sp
A batata frita veio depois, o que meio que estragou o rolê porque gosto de comê-las antes do hambúrguer, mas tudo bem. O livro é Mayombe e ele não ficou sujo de catchup. Vitória!

O principal é que ir no Burger Joint mata um pouquinho da saudade que Nova York deixa no coração – pelo menos para mim, que nunca frequentei o restaurante original e não posso dizer se o sabor é o mesmo. Por aqui, esse hamburguinho sempre vai ter um sabor novaiorquino ❤

Serviço:

  • Em São Paulo: Rua Bela Cintra, 2116 e dentro do Top Center, na Avenida Paulista, altura da Brigadeiro
  • Em Nova Iorque: Dentro do Le Parker Meridien, na 119 West 56th Street, e no Village, na 33 West 8th Street

Escrito por

Carioca apaulistada, jornalista, 26 anos. Gosta de escrever, viajar e um monte de outras coisas que não caberia nessa descrição.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s